domingo, 18 de novembro de 2012

Vida de voluntário

Segundo o dicionário Michaelis:

voluntário
adj (lat voluntariu1 Que se faz ou deixa de fazer, sem coação nem imposição de ninguém; que está em nosso poder ou que depende do nosso livre-arbítrio fazer ou deixar de fazer. 2 Feito espontaneamente, por vontade própria, sem constrangimento ou obrigação. 


Admiro muito o engajamento das pessoas que trabalham como voluntárias e, especialmente, aquelas que atuam em ONGs de proteção animal. Por isso hoje dedico este post a todos aqueles que decidiram doar parte do seu tempo pra ajudar o próximo.

Conheci a Alexsandra através da ONG Adote um Gatinho. Eu havia escolhido o Juca pra adotar e ela era a tutora dele. Então até que a adoção fosse finalizada, trocamos uma série de e-mails. 
Por mais que eu já tivesse um gato, fiquei ansiosa e apreensiva com a chegada do segundo gatinho em casa, mas a Alexsandra sempre foi tão solícita comigo que isso me tranquilizou e me ajudou muito. 
O Juca chegou em casa num sábado de Carnaval. A Alexsandra veio trazê-lo pessoalmente e então pudemos conversar um pouco mais. Desde então, sempre mantemos contato (seja por e-mail ou rede social) e hoje já a considero uma amiga. Eu costumo dizer que ela é a madrinha do Juca, ou melhor, a dinda dele. 
Queria que vocês conhecessem um pouco mais como é o trabalho de um voluntário e pedi pra Ale responder algumas perguntas. Vamos a elas:

1-      Quando você descobriu a paixão pelos gatos?
Na casa dos meus pais sempre teve gatos, então cresci convivendo com eles. Quando vim morar em São Paulo achava que não teria tempo de cuidar e nem teria espaço porque moro em apartamento. Quando, há três anos, resgatei das ruas minha primeira gatinha, a Duda, fui tomada por um amor tão grande que já não conseguia mais imaginar minha vida sem gatos, foi assim, que veio o segundo, terceiro até chegar o sexto.

2- Há quanto tempo você é voluntária do Adote um Gatinho e por que decidiu se tornar voluntária?
   Sou voluntária há dois anos. Porque gostaria de fazer alguma coisa para ajudar os gatinhos que são abandonados a encontrar um lar.

3- Atualmente as ONGs trabalham com o conceito de lar temporário. Explica pra gente o que é um lar temporário.
Lar temporário consiste em hospedar o gatinho até que ele seja adotado. O AUG recebe muitos pedidos de resgates diariamente, como o abrigo não tem espaço para todos os gatinhos que são resgatados, eles vão para casas de voluntárias até encontrar um lar definitivo.

 4- Você tem quantos gatos? 
Tenho 06 gatos:  Duda, Nina, Mel, Suzy, Bubú e Apollo.

5- Como é a convivência entre seus gatos e os gatos do lar temporário?
Alguns cuidados são necessários para fazer lar temporário, o principal é deixar o gatinho separado dos meus. A convivência sempre é difícil porque mesmo separado os meus gatos sentem que tem gente nova no pedaço e ficam com ciúmes. O Bubú e o Apollo não dão a mínima importância para os novatos até gostam, as minhas meninas que são mais ciumentas, rs.

6- Já se apegou tanto a um gato pra quem fazia lar temporário que acabou adotando-o?
Eu sempre me apego aos meus gatinhos temporários, isso é inevitável, mas até hoje conseguir doar todos. Confesso que doar a mamãe do Juca foi muito difícil, ainda lembro daquele olhar meigo e carinhoso. Mas sei que ela está bem e feliz com sua nova família.

7- Qual a parte mais difícil de trabalhar no meio de proteção animal? E a parte mais gratificante?
A parte mais difícil é ver que algumas pessoas não respeitam os animais, abandonam como se fossem objetos descartáveis sem valor algum, como se eles não sofressem, não sentissem medo, fome, sede e etc. O mais gratificante, sem dúvida alguma, é a adoção. Quando encontramos um lar saudável e carinhoso é muito gratificante porque é a continuação de nosso trabalho.

8 – Gostaria de deixar algum recado para nossos amigos gateiros ou para aqueles que dizem não gostar de gatos?
Para àqueles que dizem não gostar de gatos, acredito que nunca tiveram a oportunidade de conviver com eles, infelizmente acreditam nas crendices e superstições que ouvem falar, ou se já conviveram e não gostam é porque não sabem amar e nem respeitar.  

Agora, vamos conhecer os felinos da Alexsandra. Comecemos pela ala feminina:

Duda, a primogênita
Mel e seus olhos azuis

Nina com seu modelito outono-inverno

Suzy repousando no sofá


Agora, os pretinhos básicos:

Bubú, o melhor amigo do Juca

Apollo panterinha

Os meninos se divertindo. Vejam se vocês adivinham quem é o frajola?
É o Juca! Essa foto foi tirada quando ele ainda morava na casa da Ale

Conheçam a minha amiga Alexsandra:

Ale e Juca








15 comentários:

  1. Taí o tipo de pessoa que deveria estar em excesso na face da Terra que nunca seria demais!! Não tenho palavras para descrever o quanto eu admiro as protetoras (não sei por que a gente sempre pensa em meninas, mas tem muitos meninos também!!). Realmente tocante: por conta própria e tempo próprio cuidam dos bichinhos até encontrarem uma família digna para ele! E ainda tem a dor de doar um animal que ficou com você por um tempo... isso parte um coração!!! Fofo máximo! Adorei conhecer a Alexsandra, essa sim é uma pessoa do bem!!

    Beijinhos e ronrons!!

    ResponderExcluir
  2. Oi Karina..
    Cada vez admiro mais as pessoas que trabalham como voluntários nas Ongs de proteção animal...Adorei conhecer a Alexsandra e os amiguinhos dela...As fotos estão lindas...Parabéns pela linda entrevista da Ale e nos mostrar como é o trabalho de um voluntário.Ótimo Domingo!
    Beijos!
    San...

    ResponderExcluir
  3. Karina,
    Muito bom falar sobre o trabalho dos voluntários/protetores que levam ao nosso coração a esperança de um mundo melhor apesar de tantas maldades que vemos por aí. Gostei bastante da entrevista da Alexsandra e de poder conhecer os seus gatinhos. Parabéns para ela e para você pela bela entrevista.
    Adorei ver o juquinha interagindo com os meninos da casa da Alexsandra.
    beijos

    ResponderExcluir
  4. Que legal a entrevista!...a vida de voluntária não é nada fácil, oferecer lar temporário e depois ter que doar, imagino que não seja fácil mas, é preciso. Voluntários são anjos de Deus pra ajudar os peludos aqui na Terra. Admiro muito essas pessoas e peço a Deus que lhes ajude sempre e abençoe suas vidas. A turminha da Alexsandra é MARAVILHOSA!!...Todos lindos!

    Bjs, Néia

    ResponderExcluir
  5. Que post legal Karina.
    O trabalho voluntário é uma benção para quem faz e para quem é beneficiado e por isso mesmo deve ser divulgado e aplaudido sempre.
    Parabéns para a Alê e diga a ela que achei lindo todos os "filhotes" dela.
    bjs

    ResponderExcluir
  6. O mundo está precisando de mais gente como a Alexsandra, esses gatinhos tem muita sorte. Bjs

    ResponderExcluir
  7. Karina, parabéns pela iniciativa de fazer um post sobre o trabalho dos voluntários que trabalham em ONGs de proteção animal.
    Eu adorei ler o post! Dá uma sensação boa de que ainda existe o bem por aí e que o mundo não está tão perdido assim.
    A Alexsandra faz um lindo trabalho! Sua família felina também é linda! E o Juca, todo esparramado lá... ôoo delícia!

    Ah! Respondi a uma brincadeira de perguntas e respostas que a Silvia me deixou e repassei outras a você lá no blog.
    Depois, dá uma olhada, caso queira participar!

    Beijão

    ResponderExcluir
  8. Legal a postagem. Os voluntários fazem um trabalho maravilhoso. Quem dera houvessem mais pessoas assim, o planetinha seria bem melhor.
    Bjinhos

    ResponderExcluir
  9. Essas almas são abençoadas. Abrem mão de muitas coisas em prol do animais.
    Se não fosse meu marido, eu seria lar temporário fácil fácil...Só que ele acha que eu não daria conta de doar depois...será?

    ResponderExcluir
  10. Querida Karina,
    A Alexsandra está de parabéns pelo maravilhoso trabalho que desenvolve
    Um grande beijo para ambas
    Com carinho de
    Verena e Bichinhos

    ResponderExcluir
  11. Coisa mais linda é o trabalho de um voluntário. Queria muito ser uma, mas o tempo ainda não me permite isso. Porém, no futuro, quero ajudar alguma ONG a cuidar de bichinhos.
    Bjinhos

    ResponderExcluir
  12. Adorei o post. Mando um beijo no coração da Ale. As vezes fico me perguntando porque a gente ama tanto esses gatos e porque escolhemos ser cuidadoras. Porque escolhemos essa vida que as vezes é muito triste quando vemos os bichinhos e não temos mais como acolher e não encontramos ninguém confiável para adotar. Deve ter alguma coisa que não sabemos (conscientemente), mas nosso ser interno deve saber.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  13. Karina,

    Respeito e admiro muito os voluntários.

    Pessoas profundamente sensíveis e humanas, que visam o bem estar do seu próximo humano ou de outras espécies!!

    Ah, que bom se um dos componentes escolares fosse "Ser voluntário" - nossas crianças aprenderiam e praticariam desde cedo sobre a doação, o amor incondicional, a caridade...

    Tenha um lindo feriado,

    beijinhos,

    Lígia e turminha
    ♥ˆ◡ˆ♥

    ResponderExcluir
  14. Eu acho bárbaro o trabalho dos voluntários, adoraria poder fazer lar temporário mas o Barum e a Luna iam ficar desesperados de ciúmes (ou raiva mesmo) e o marido não ia gostar nada disso! Os gatinhos da Ale são divinos e parecem muito felizes em viver com uma mãe tão carinhosa. Adorei o post e conhecer melhor uma pessoa que trabalha voluntariamente pelos animais.
    Beijos
    Laís

    ResponderExcluir